terça-feira, 14 de novembro de 2017

Formação de utilizadores

Nas bibliotecas Escolares realizaram-se sessões de formação de utilizadores para as turmas dos 3.º e 4.º anos. Para consolidação dos conhecimentos, os alunos do 3.º ano realizaram uma ficha de escolha múltipla e os alunos do 4.º ano resolveram as tarefas propostas na ficha: “Vamos conhecer melhor a nossa biblioteca.”





terça-feira, 7 de novembro de 2017

Como o Ouriço Cacheiro arranjou os espinhos

Como o Ouriço Cacheiro Arranjou os Espinhos, uma linda história de outono protagonizada por um bichinho muito simpático, que  foi dinamizada na BE da BE de Valença, para os alunos do pré escolar.
Em contexto de sala de aula, foram realizados alguns registos da historia que ficaram muito bonitos.












segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Corre Corre Cabacinha




Não vi velha nem velhinha, 
nem velhinha nem velhão. 
Corre corre, cabacinha. 
Corre corre, cabação!, 
respondia a cabaça, enquanto ia rodando pelo caminho, 
perante o olhar estupefacto do lobo, do urso e do leão. 
Quem estará dentro dela, enganando as três feras? 
 
Corre corre, cabacinha é um conto popular português de grande tradição. Conta a história de uma velhinha que, a caminho da boda da sua neta, encontra um lobo, um urso e um leão que a querem comer. Consegue convencer os animais a esperarem-na no regresso, e depois da celebração, a neta e a velhinha engendram um plano muito original para enganar as três feras.
Escritores da envergadura de Alice Vieira e compiladores de contos tradicionais lusos como Adolfo Coelho, S. Romero, A. Oliveira ou Leite Vasconcellos, têm recolhido variantes desta história em todo o Portugal e até no Brasil, cunhadas com títulos como A velha e os lobos, O macaco e a cabaça (na variante brasileira), A cabacinha ou A velha que ia na cabaça e encontrou um lobo. Em algumas destas versões os animais comem a avó, mas nesta versão optou-se por um final em que a velha e a neta, providas de engenho, humor e imaginação, conseguem superar os conflitos e dar às três feras o que elas merecem.
Com um ritmo ágil e empregando a “lengalenga” − quase um trava-línguas − presente nas versões portuguesas que ainda hoje circulam, este conto oferece muitas possibilidades expressivas de narração e representação teatral. André Letria, o conhecido ilustrador várias vezes ganhador do Prémio Nacional de Ilustração em Portugal, cria personagens com muita força e personalidade, acentuando a sua expressividade e enriquecendo as imagens com um imaginário humorístico muito definido.


Esta linda história  foi trabalhada e registada pela sala 2 do Pré  Escolar








A Girafa que Comia Estrelas

Livro recomendado para o 2º ano de escolaridade, do autor .

José Eduardo Agualusa. História infantil sobre a amizade de uma girafa, que andava sempre com a cabeça nas nuvens, e uma galinha do mato, com a cabeça cheia de frases feitas.

Depois de lida e explorada esta obra os alunos do 2.º D fizeram um texto coletivo cobre a mesma.








Texto individual do Ricardo

     


quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Sessões de leitura com a escritora Paula Ruivo

Resultado de imagem para capa do livro Depois da fabrica de serapiteia de Paula ruivoNo âmbito do Mês da Biblioteca Escolar e procurando ir de encontro à Educação Literária referida nas Metas Curriculares de Português, foram realizadas sessões de leitura com a escritora Paula Ruivo em várias escolas do 1.º ciclo: EB de Ganfei, EB de Passos, EB de Gandra e EB de Valença.
Assim, a escritora realizou varias sessões para os alunos, apresentando as suas obras: A ervilha que queria ir à escola, A ervilha que queria ir ao zoo, A ervilha que queria ir de férias, Hiroki - O livro mágico, Não quero ser o que sinto e Depois da fábrica de Seripiteia.
Paula Ruivo motivou e encantou as crianças levando-as, como que, por magia, para uma viagem ao mundo da fantasia, das aventuras e dos sonhos. Todos ouviram com uma certa curiosidade a sua mais recente obra: Depois da fábrica de Seripiteia, uma linda história contada na personagem da avó Matilde, em que, um dia Piorreta e Pimpolho saíram dos portões da fábrica de confeções na aldeia de Seripiteia e conheceram os Guardiões…
Os alunos, participaram com grande entusiasmo na história, cantando em coro uma das quadras que faz parte de uma música inserida no livro.
Um sonho sonhado
Um coração encantado
Merece quem acredita
Ver o seu sonho realizado.
Por último, os alunos fizeram várias perguntas à escritora, revelando a sua curiosidade de criança e o seu interesse pelas obras. Ofereceram ainda pequenas lembranças por eles elaboradas com a ajuda dos professores.
Agradecemos à escritora Paula Ruivo estes momentos de partilha, que em muito contribuem para a promoção do livro e da leitura e para o enriquecimento literário dos alunos. Deixamos também um agradecimento à Biblioteca Municipal que em parceria com a Biblioteca Escolar contribuiu para a realização destas atividades.
















quinta-feira, 26 de outubro de 2017

O elefante cor- de- rosa

Resultado de imagem para imagens do livro o elefante cor de rosaNo âmbito da Educação Literária, na biblioteca da EB de Friestas, com a turma do 2.º ano foi lida e explorada a obra O elefante cor-de-rosa de Luísa Dacosta.
A nível de sala de aula, na área de Expressão Plástica, os alunos realizaram bonitas ilustrações de elefantes com a técnica de mosaico aplicando diversos materiais.






Formação de utilizadores

Nas bibliotecas Escolares realizaram-se sessões de formação de utilizadores para as turmas dos 3.º e 4.º anos. Para consolidação dos conhec...